domingo, 10 de julho de 2011

O casal Frank e Lillian Gilbreth e o Estudo dos Movimentos e o Estudo da Fadiga Humana

Frank Bunker Gilbreth nasceu em 1868. Ele começou a fazer observações sobre movimentos com 27 anos de idade, quando trabalhava como superintendente em uma empresa de construção.
Lillian Molle nasceu em 1878 e casou-se com Frank em 1904. Dedicou-se psicologia, ajudando seu marido nos estudos sobre a fadiga.
Gilberth idealizou um estudo estatístico dos movimentos baseado na anatomia e fisiologia humanas sobre os efeitos da fadiga na produtividade do operário. Baseado neste estudo ele verificou que a fadiga trazia efeitos como diminuição da produtividade e da qualidade do trabalho, perda de tempo, aumento da rotação de pessoal, doenças, acidentes e diminuição da capacidade de esforço.
O casal Gilbreth estudou os movimentos visando reduzir o número de ações ao performar uma tarefa, a fim de aumentar a produtividade. Ele buscou compreender os hábitos de trabalho de empregados de indústrias e foram desenvolvidas técnicas para evitar o desperdício de tempo e movimento.
Gilbreth tornou o serviço de um pedreiro mais fácil e rápido. Ao analisar cuidadosamente o trabalho do pedreiro, Gilbreth reduziu o número de movimentos para assentar um tijolo de 18 para 5, diminuindo a fadiga e aumentando a produtividade. Foram desenvolvidos os "therbligs" (Gilbreth ao contrário, com uma pequena mudança), esquema de classificação que mostrava 18 movimentos básicos das mãos.
Também para minimizar a fadiga propuseram o redesenho do ambiente de trabalho, a redução das horas diárias de trabalho e a implantação ou aumento de dias de descanso remunerado.
Frank inventou dispositivos como andaimes móveis, misturadores de concreto, correias transportadoras, barras de reforço, tudo com o objetivo de evitar o desperdício de movimento.
A eficiência e minimização de movimentos eram exemplos do que Gilbreth perseguia. O estudo de movimentos é muitas vezes mal entendido e aplicado num sentido erroneamente limitado. Estudo não requer somente a análise dos movimentos do operador, mas também com a mesma importância, a análise de todo o ambiente de trabalho.
Podemos afirmar que a objetividade dos estudos dos tempos e movimentos proporcionaram:
1. Eliminação de desperdício de esforço humano.
2. Adaptação dos operários a própria tarefa.
3. Treinamento dos operários para melhor adequação a seus trabalhos.
4. Maior especialização de atividades.
5. Estabelecimento de normas detalhadas de execução do trabalho. O trabalho manual pode ser reduzido a movimentos elementares.
Os princípios de economia de movimentos foram classificados em três grupos:
1. Uso do corpo humano, Evitar movimentos inúteis na execução de uma tarefa, buscando o melhoramento e métodos para diminuir os esforços musculares.
2. Arranjo material do local de trabalho, procurando executar, do ponto de vista fisiológico, os movimentos necessários e também buscando selecionar criteriosamente os operários para todas as funções.
3. Desempenho das ferramentas/equipamentos, fazendo com que haja uma sincronia onde os movimentos deverão ter um ritmo apropriado e também treinar de uma forma permanente os operários nos seus postos de trabalho.
A Medida da potencia desenvolvida pelos músculos não encontra aplicação atualmente , embora Franck tenha se preocupado profundamente com os efeitos da fadiga sobre o trabalho. Isso porque se procura hoje utilizar ao máximo, a capacidade humana mais elevada, independente de sua inteligência. Sendo intangível a fadiga, variando de indivíduo para indivíduo, tendo sua origem no esforço proporcionado no momento do trabalho. Desta forma, após ser admitida a sua ocorrência e os seus efeitos, procuraram os técnicos de estudos de tempos estabelecerem coeficiência de tolerância para a fadiga do trabalho na determinação do tempo padrão, através de estudos realizados em laboratórios, tem-se procurado demonstrar o comportamento do rendimento do indivíduo.

Em alguns países industrializados, considerando o Japão como destaque, as empresas adotam a ginástica coletiva, antecedendo ao trabalho, como forma de aquecimento muscular, concorrendo este procedimento para a aceleração do rendimento inicial do trabalhador.
O repouso é globalmente reconhecido como o único meio capaz de eliminar a fadiga. Repouso, não se deve entender apenas o semanal e o diário, mas também todas as interrupções do trabalho, independente de sua natureza. O analista deve estar sempre atento à praticabilidade.
Está provado que deve-se introduzir de acordo com a natureza do trabalho, pequenos intervalos para descanso. Estes intervalos tendem a estabilizar o ritmo diário da produção, afastando o ponto mais crítico de cansaço ou esgotamento, como resultado haverá um aumento sensível da produção do trabalho, haverá menos acidentes e os operários terão mais disposição e pro atividade.
Há indústrias e empresas de grande porte que se admite o repouso coletivo, onde há excesso de esforço físico. Porém, independente do método utilizado para estabelecer o intervalo de repouso intercalado, devemos sobre tudo, entender a importância e a necessidade do descanso.
Reconhecida e admitida a sua importância é importante introduzi-la na determinação do tempo padrão através de coeficientes. Por isso, convenciona-se, tabelas, diagramas, etc, que permite uma medição de esforço físico e de repouso físico, embora já tenha dito que medição de fadiga é praticamente impossível, variando e dependendo do bom senso de cada líder, porém não se pode deixar de considerar parâmetros que se conduza a determinação de tais coeficientes, onde adotá-las ou não é uma questão individual. Porém, aceitá-las é reconhecer a sua validade, tornando o trabalho mais humano e mais prazeroso ao ser executado.
ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA. Disponível em: http://nutep.adm.ufrgs.br/adp/ACient.html. Acesso em 07 de junho de 2011.
FRANÇA. Administradores.com.br. Disponível em: http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/fadiga-humana-administracao-cientifica/11925/. Acesso em 07 de junho de 2011.
HISTÓRIA DA ADMINISTRAÇÃO. Frank Bunker Gilbreth. Disponível em: http://www.historiadaadministracao.com.br/jl/index.php?option=com_content&view=article&id=196:frank-bunker-gilbreth&catid=10:gurus&Itemid=10. Acesso em 07 de junho de 2011.
SPINER:). Administração Científica. Disponível em: http://www.spiner.com.br/modules.php?file=viewtopic&name=Forums&p=1132. Acesso em 07 de junho de 2011.
WIKIPÉDIA. Frank Bunker Gilbreth. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Frank_Bunker_Gilbreth. Acesso em 07 de junho de 2011.
SECRETARIA DESENVOLVE PROJETO DE VALORIZAÇÃO DOS AGENTES DE LIMPEZA. Disponível em: http://www.saoluis.ma.gov.br/frmNoticiaDetalhe.aspx?id_noticia=1254. Acesso em 10 de julho de 2011.

7 comentários:

  1. Esta matéria me ajudou muito a fazer um trabalho. Obrigada!

    ResponderExcluir
  2. Muiito obrigado, tenho prova de administração na segunda feira e esse conteúdo me ajudou muito !

    ResponderExcluir
  3. Parabéns. Contribuiu para meus estudos.

    ResponderExcluir
  4. Obrigado pelos comentários.
    Também sou estudante de administração e quando passei por essa matéria, só conseguia achar pequenos pedaços em artigos diferentes. Resolvi fazer um resumo para mim que acabei publicando aqui para ajudar outros interessados no assunto. É bom saber que foi útil.
    Abraço, Willer.

    ResponderExcluir
  5. Vocês sabem me dizer como encontro o livro Analise de uma operação de Frank e Lilian ??? Agradeço a resposta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fiz algumas pesquisas na internet e não encontrei referência sobre a existência d"o livro Analise de uma operação de Frank e Lilian". Existe uma página da Universidade de Perdue onde estão os documentos originais do Casal Gilbreth, só que estão em inglês, segue abaixo o endereço caso se interesse em verificar:

      translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&sl=en&u=https://engineering.purdue.edu/IE/GilbrethLibrary/gilbreth.html&prev=/search%3Fq%3DUniversidade%2BPurdue%2Bgilbreth%26client%3Dfirefox-a%26hs%3DakE%26rls%3Dorg.mozilla:pt-BR:official%26channel%3Drcs%26biw%3D1301%26bih%3D671

      Excluir